O tempo em tour…

DSCF7423PB

Chegamos ao fim da turnê europeia 2012. 51 dias, 38 gigs, 11mil e 500 km percorridos e vivenciados de uma forma um pouco insana, intensa, rápida em alguns pontos e lenta em outros, pois apesar de ficarmos pouco na maioria dos lugares, também houveram momentos de espera, expectativa…e dentro de um ritmo frenético havia espaço para reflexão. Nesta turnê as reflexões foram diversas, sobre a cena, sobre as relações entre as pessoas e entre nos 4, sobre a solidariedade mas também pudemos experienciar momentos que nos sentimos sozinhos neste ou naquele sentido… Foi um tempo em que nos dedicamos ao que nos propusemos, tocamos, dialogamos, sentimos, trocamos, percorremos e suamos. Foi um tempo que pudemos ver que ainda existe muito apoio e interesse para que o faca-você-mesmo continue existindo, que a contra cultura se espalhe e que existam espaços e momentos pra que as pessoas se expressem, se envolvam, se divirtam e resistam.

Poderíamos dizer também que existem muitas divergências, controvérsias e contradições no meio. Ainda bem que não existe uma homogeneidade obviamente, e é perceptível também os diferentes momentos em que as pessoas se encontram em termos de idéias e maneiras de viver. Mas poderíamos dizer que existe um certo senso comum entre muitas de nós, uma busca para pararmos a máquina ou de vivermos alternativas. Da mesma forma parecem que muitos não se deram conta disso ainda e acreditam que os espaços não são de resistência, mas apenas para serem usufruídos, e que as ações não são fruto de varias lutas. Acredito que mesmo pensando-se assim, é importante que se usufrua e que se tenha a chance de perceber e participar da resistência e das lutas mais cedo ou mais tarde. Quem assim quiser.
A  última postagem aqui foi do cartaz de Magdeburg, onde tocamos no Libertäres Zentrum, espaço muito massa, bem organizado, com info shop, espaço para gigs, moradia, cozinha coletiva e pátio. Tínhamos vindo de Berlin, onde tocamos no lendário Köpi mais uma vez. Antes ainda tocamos na Polônia em Łódź num túnel embaixo de uma autro-estrada, e em Varsóvia numa gig organizada pela Nika (Post Regiment) que está com nova banda deixando a gente bastante curiosa pra ouvir.


De Magdeburg seguimos para a Austria na maior viagem da turne, onde fizemos mais de 700 km para chegarmos na squat EKH em Viena. Fomos super bem recebidas. Chegamos à noite e um dia antes da gig, ainda bem, pois a viagem foi longa e cansativa. No dia seguinte pudemos tirar o dia pra conhecer melhor a cidade. O EKH é uma squat muito ativa e bastante nas questões de gênero e na luta contra o sexismo.

Do EKH seguimos para Praga na República Checa, onde chegamos quase na hora de tocarmos. Comemos o típico Goulash, vegano obviamente, e delicioso. No festival grind/crust  tocaram bandas locais, da Noruega e da Franca. A casa tava cheia e a gig foi muito boa! Uma garota cantou “Sistema” com a gente e encontramos algumas pessoas de turnês anteriores.

No dia seguinte pegamos o caminho para Alemanha novamente, onde tocamos no What a Fuck Festival na cidade de Krumpa. Reencontramos muita gente da área que veio para o festival. Tomamos banho no lago na manhã do outro dia, dia morninho mais parecido com o verão…

Pela tarde fizemos os fáceis 53 km em direção a Leipzig para a última gig da turne. E assim que os minutos passavam, iam chegando varias amigas e amigos da cidade e varias outras localidades. Foi surpreendente ver juntar tanta gente no mesmo lugar. Desde o início da movimentação podia-se perceber que o clima era de festa e de descontração. Tocaram 2 bandas finlandesas Total Recall e Anticlimax que igualmente encerravam suas turnês. Os shows foram todos “agitados”, com galera curtindo bastante numa noite de casa cheia.  Terminamos a noite bastante motivados pela empolgação das pessoas que ali estavam. Depois das gigs começou uma festa muito divertida, disco party, cocktail bar, todo mundo dançando, cantando junto, embalados pela mesma vontade de celebrar e se deixar levar como se não houvesse o amanhã…

Foi demais.

Valeu muito.

Valeu a todas e todos, em todos os sentidos….
Sensação de algo cumprido….e muito aprendizado. porém…. muito por vir e aprender.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *